Medo de Sentir Medo

Medo de Sentir Medo

03/02/2020 2 Por Najma Alencar
Tempo de leitura: 2 minutos

Entenda sobre a síndrome do Pânico

a síndrome do pânico é considerada um medo de sentir medo, muito presente também o medo das sensações físicas que aparecem durante uma crise.
O medo de sentir de novo vira rotina, um estado de alerta constante…
A OMS Organização Mundial da Saúde diz que 9,3% dos brasileiros sofrem de algum transtorno de ansiedade. É uma grande parte da população e infelizmente o conhecimento sobre o assunto ainda é escasso. Então, vamos lá?

A síndrome do pânico é um dos níveis mais altos do transtorno de ansiedade. É reconhecido pela recorrência de crises de ansiedade, são episódios imprevistos da crise que duram alguns minutos, geralmente de 2 a 5 minutos, e são muito intensas. O que define então, ser o transtorno do pânico é a recorrência das crises.

O ATAQUE DE PÂNICO pode acontecer repentinamente, é um estado de sobrecarga energética que tem inicio rapidamente e alcança seu pico bruscamente, a pessoa se sente aterrorizada, é o estado de manifestação do corpo para luta ou fuga, mesmo que não esteja à frente de perigo real.

Quem passa por esses episódios, fica constantemente preocupado com a aparição de uma crise.
É como viver em ciclo de constante medo, e não conseguir ver saída. Se não for tratado, esses ataques de pânico pode levar o indivíduo a deixar de executar atividades normais do dia a dia.

O que acontece com seu corpo quando passa por uma crise de Pânico

A síndrome do pânico inclui pelo menos quatro dos seguintes sintomas:

○ Sensações de dormência ou formigamento (Parestesia )

○ Hiperventilação / Sensações de falta de ar ou sufocação

○ Palpitações, aceleração cardíaca

○ Sudorese

○ Sentimentos de bloqueio

○ Dor no peito ou desconforto

○ Calafrios ou sensações de calor

○ Sentir-se tonto, instável, com cabeça leve ou desmaiar

○ Medo de perder o controle ou “enlouquecer”

○ Medo de morrer

Os episódios de síndrome do pânico são marcados por crises de ansiedade quase que inexplicáveis, que podem estar associados a sintomas físicos semelhantes ao de um ataque cardíaco. Estima-se que 3% dos brasileiros experimentem pelo 1 episódio por ano.

Como melhorar

São muitos os fatores que podem originar o surgimento deste estado. O tratamento, tem como principal objetivo reduzir o número de crises, assim como sua intensidade e recuperação mais rápida.  É realizado através de sessões de psicoterapia, conduzida por um psicólogo especializado, onde será trabalhado o enfrentamento dos ataques e a busca por sua raiz, ou seja, onde tudo começou, para então ser reprogramado e superado. É necessário o trabalho interdisciplinar com um psiquiatra, para uso medicamentoso de regulação da ansiedade e depressão.

Existe algumas coisas que você pode fazer além do tratamento psicológico e psiquiátrico que melhoram muito a sensação de bem estar e possível melhora.

♥ É importante que você siga as orientações que seu psicólogo e seu médico passaram. Não se sabote!

♥ Faça seu corpo relaxar, ele merece! ficar tensionado o tempo todo é dolorido. Então faça alongamentos, yoga, pratique técnicas de respiração e de relaxamento.

♥ Atividades aeróbicas serão excelentes fontes naturais de produção de neurotransmissores reguladores de humor. Então, pratique exercícios físicos.

♥ Mantenha suas horas de sono regulares.

♥ Crie rotinas de organização e de pequenos desafios para enfrentamento.